Pular para o conteúdo principal

Concavos

Tem coisas que só enxergamos de olhos fechados
Tem coisas que só podemos ouvir ficando calados

É bem mais fácil peitar e afrontar
Do que pedir perdão e se enfrentar
É mais fácil fingir e talvez sonhar
Do que dormir e tentar se levantar

São as faces desta insônia, olheiras e um mau humor
Não se disfarça em colônia, nada que possa sobrepor

Hoje em dia a realidade se tornou algo superficial
A verdade baseada em um fato virtual
Uma conexão que não mais conecta, só faz o mal
E se torna habitual, um ritual irracional

Momentos que o Universo fornece
Depende se é paz ou experiência, caos ou tormentas
Mas é sempre assim que acontece
Depende de como as usa, são armas ou ferramentas

Um pesadelo dessa mente acordada, totalmente cansada
Não espero por anjos ou fadas, não espero por mais nada

Toca o despertador de manhã
E dá vontade de acordar só depois do almoço
Uma mordida rápida na maçã
Corre atrasado e muito desesperado ao ponto

Sentimos muito que por doer, nós devemos perdoar
Para curar e se recuperar, pois todos somos de errar

Turbulência e incúria
Entre a sanidade e as loucuras
De paciência ou fúria
A Escuridão e a Luz são buscas

E o caminho, cada um faz o seu...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conde

Tem gente que prefere um amor para se ferir
Do que estar só
E tem gente que prefere pensar apenas em si
Do que ter um nós

E quem somos nós pra dizer o que é bom
Se o arbítrio é a maldição dada como dom?

Eu demorei muito para poder entender tudo isso
Que não preferimos a solidão
Mas as vezes ter foco maior e fazer compromisso
É a prioridade em suas mãos

Fobias

As energias são intensas
E as colisões, imensas
As estradas são extensas
De quedas e sentenças

Não importa a quem pertença
Os olhares são a diferença
Podem ser a cura ou a doença
Entre ceticismos e crenças

Apenas vemos aquilo que queremos enxergar
Só vamos para onde nós queremos chegar
Só voltamos para onde nós queremos regressar
Somos zonas de conforto, a se acostumar

Sem confrontos quando queremos paz
E talvez a paz seja esse cegar
Onde há medo, você nunca vai lá e faz
Inerte e não inerente, vai alugar

Vai gastar, não gostar, se degastar...
E assim, não chegar a nenhum lugar

Soropositivo

Não finja ser feliz, apenas seja
Liberte-se do que lhe causa tristeza
Aquele que diz vence, te convence de que é tudo um jogo
Então mentalmente, pegue as coisas dele e taque fogo

Não finja nada que não seja teatral
A arte de purificar e elevar o astral
Por doer, que você possa perdoar, mas nunca vá se redoar
Use o tempo vago para preencher lacunas e se redobrar, transbordar

Essa de amor próprio até que parece difícil
Mas é mais simples do que observar o precipício
Ver que é só uma queda para desistir de tudo, é não saber o que é tudo
Há milhares de novas chances, novos sonhos e horizontes nesse mundo

E... Quantas vítimas se tornaram heróis?
Nunca saberá, se não tentar ver
E... Quantas chances terá para ser mais?
Nunca saberá, se não tentar ser