Pular para o conteúdo principal

Nossa missão nem existe

Ascende a vela
E o pouco que se observa já é o muito
Passos à cautela
Lentos no silencio que confessa o luto

Um pote de conservas
Onde não há conversas sobre o futuro
Sem precisar de reservas
Mesas de um bar iluminado e obscuro

Já é segunda de novo
Ou, é mais um ano começando
Fixa a tinta no corpo
E da vida, o que está pensando?

Mesmo se eu desabafar com algum Freud num divã
Eu sei que não vou entender minhas loucuras do presente ou pretérito
Não me entendo hoje, nem vou me entender amanhã
Talvez por mérito, questionando, investigando e fazendo um inquérito

Se eu pudesse voltar no tempo
Creio que seria muito bom refazer todas a merdas que já fiz
Seria mais fácil perdoar e atento
Abraçaria mais do que abracei, sorriria bem mais do que sorri

Não daria conselhos e apenas observaria o Caos acontecer
Não teria segredos, eu apenas observaria o Caos acontecer

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Imagine se as paredes pudessem revidar os socos

Existe a minha, a sua e a de muitos
Existe a absoluta e a que é baseada nos talvezes
Existe a que tanto guardei, meu luto
O que não existe é o pra sempre e sim, às vezes

Que não sejam apenas um hino religioso
Que não sejam apenas poemas de alguns versículos
Que não sejam apenas um teste rigoroso
Que não sejam apenas espalhadas, mas sim veículos

A verdade é a nossa inspiração e cópia
É o que nos falta e o que nos sobra
A verdade não está só em linhas tortas
É o que está no horizonte e na obra

Licença poética ou gírias de palavras antes, inexistentes
Dizem; Não me entenda mal, ou, não me entenda
Sentença fonética de línguas dadas à amantes, expoentes
Entre melhor que a encomenda e o que recomenda

Enfrente seus demônios ou os acolha
Onde você mais deseja estar
Nessa via de mão dupla e de escolhas
Pra onde decide ir ou voltar

Então, imagine se as paredes pudessem revidar os socos
Paciencia é uma raridade
Em um Universo onde confundem os diferentes e loucos
Massacram a moralidade

Onde masc…

Flanco

Pra ti pode até parecer tarde
E há quem retarde
Fazem-nos parecer covardes
E ainda dão alarde

Não é sobre o que vão dizer
Mas sim, sobre o que você irá fazer
E, não é apenas sobre o ser
Mas sim, do que está pra acontecer

Sobre todo o porque não respondido
De todo o seu adeus evitado
Sobre todos os seus fatos escondidos
Do desejo de ser revitalizado

O próximo passo de quem se ergue
E o abrir dos olhos de quem imerge

Muitos acordam e ainda está escuro
Ainda mais nesse horário de verão absurdo
Muitos deformam o que é conteúdo
Transformam a sabedoria em um vago culto

Mas oculto, onde ficam suas verdadeiras intenções
E nem toda lacuna precisa ser preenchida
A benção de amaldiçoados explodindo em canções
Em orações e corações sem não ter saída

Enfim, não se importem com aquilo que acontece ao seu redor
Quem te salva é a sua fé e não tem força quem te deseja o pior

Batalhas deixam cicatrizes
Mas nem sempre sobre nossa pele e nosso corpo
Temos diferentes diretrizes
E quem somos nós pra chamar…

Vil

Você está perdendo o seu tempo tentando ser alguém
Mas quem te olha, enxerga um Zé ninguém
Mentiras ditas com a verdade nas mãos e cheio de falso amém

Você está perdendo o seu tempo ensaiando sorrisos no espelho
Eles não mascaram sua embriagues e olhos vermelhos
Todos já estão sem paciência para ouvir os seus tais concelhos

Uma pena, que não se equipara com o seu coração
São pesos extremamente diferentes em exposição
E sua oração não te salva, não tem fé, não tem convicção

O que fala, o que sussurra e o que grita, só você acredita
E os conselhos para que reflita não estão nas escritas
Mas sim em uma visita não acolhida, de onde ainda és parasita

Não adianta dizer para você acordar ou crescer e aparecer
Já apareceu e com sua imagem, não sabe o que fazer
Não sabe quem é ou o que deseja ser...

Medíocre!