Pular para o conteúdo principal

Castelo de Gelo (parte 2)

Silencio e você sabe disso
Não tem destino incerto
Discreto e você sabe disso
Decreto que és concreto

Mas e a força das palavras
As honras em medalhas no peito
Mas e a marcha pra batalha
Nas linhas de frente que enfrento

Saber o que dizer
Mas não saber como
Saber o que vencer
Mas não saber como

Em minha insônia da calada
Minhas poesias em vão amassadas
O que era teu e sobrou nada
Sobre refazer a canção fracassada

Tiveram outros nomes
Tiveram outras almas
Mas só tu és uniforme
Mas só tu foi escalda

Onde a ferro e fogo tornei-me a espada
O escudo e a armadura
Devasto caminhos ao tornar-me estrada
Horizonte sem pintura

Hoje eu deixo a noite me abraçar
Desabafo com todos os meus demônios
Eu deixo a escuridão me iluminar
Desmascaro todos os infames sinônimos

Calo-me com o meu despertar
Meu relógio atemporal vem me acordar
As ondas chegam de outro mar
Das conchas de minhas mãos, o sonhar

Distraído com a paixão
Seguei mente e coração

Era bom pensar o dia inteiro numa pessoa só
Incansavelmente sorrir para o tudo e para o nada
Era bom pensar o dia inteiro numa pessoa só
Era, mas agora é apenas a cicatriz dessa flechada

A decoração é algo solido e frio
Já evaporou, já choveu
Na fase congelada desse meu rio
Castelo que adormeceu

Entre seu Inferno e meu Inverno Astral, continuo tentando...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Imagine se as paredes pudessem revidar os socos

Existe a minha, a sua e a de muitos
Existe a absoluta e a que é baseada nos talvezes
Existe a que tanto guardei, meu luto
O que não existe é o pra sempre e sim, às vezes

Que não sejam apenas um hino religioso
Que não sejam apenas poemas de alguns versículos
Que não sejam apenas um teste rigoroso
Que não sejam apenas espalhadas, mas sim veículos

A verdade é a nossa inspiração e cópia
É o que nos falta e o que nos sobra
A verdade não está só em linhas tortas
É o que está no horizonte e na obra

Licença poética ou gírias de palavras antes, inexistentes
Dizem; Não me entenda mal, ou, não me entenda
Sentença fonética de línguas dadas à amantes, expoentes
Entre melhor que a encomenda e o que recomenda

Enfrente seus demônios ou os acolha
Onde você mais deseja estar
Nessa via de mão dupla e de escolhas
Pra onde decide ir ou voltar

Então, imagine se as paredes pudessem revidar os socos
Paciencia é uma raridade
Em um Universo onde confundem os diferentes e loucos
Massacram a moralidade

Onde masc…

Flanco

Pra ti pode até parecer tarde
E há quem retarde
Fazem-nos parecer covardes
E ainda dão alarde

Não é sobre o que vão dizer
Mas sim, sobre o que você irá fazer
E, não é apenas sobre o ser
Mas sim, do que está pra acontecer

Sobre todo o porque não respondido
De todo o seu adeus evitado
Sobre todos os seus fatos escondidos
Do desejo de ser revitalizado

O próximo passo de quem se ergue
E o abrir dos olhos de quem imerge

Muitos acordam e ainda está escuro
Ainda mais nesse horário de verão absurdo
Muitos deformam o que é conteúdo
Transformam a sabedoria em um vago culto

Mas oculto, onde ficam suas verdadeiras intenções
E nem toda lacuna precisa ser preenchida
A benção de amaldiçoados explodindo em canções
Em orações e corações sem não ter saída

Enfim, não se importem com aquilo que acontece ao seu redor
Quem te salva é a sua fé e não tem força quem te deseja o pior

Batalhas deixam cicatrizes
Mas nem sempre sobre nossa pele e nosso corpo
Temos diferentes diretrizes
E quem somos nós pra chamar…

Conde

Tem gente que prefere um amor para se ferir
Do que estar só
E tem gente que prefere pensar apenas em si
Do que ter um nós

E quem somos nós pra dizer o que é bom
Se o arbítrio é a maldição dada como dom?

Eu demorei muito para poder entender tudo isso
Que não preferimos a solidão
Mas as vezes ter foco maior e fazer compromisso
É a prioridade em suas mãos