Pular para o conteúdo principal

Ninguém vence uma Guerra (Quando muito se perde)

De longe é tudo tão pequeno
Menos a imensidão desse Universo
Costumo aparentar-me sereno
No conforto da escuridão, confesso

Sinto-me limitado e tento me superar
Talvez por fé, ou ao menos para eu tentar provar
O gosto que tem os sonhos, fantasiar
Talvez é pela solidão que eu tente me solidificar

O peito é um apartamento
A nossa mente está no ultimo andar
Em um, olhamos pra dentro
E o outro é quem nos faz deslumbrar

Mas tudo aquilo nos maravilha
Também brilha, vem e nos ofusca
E aquilo que não se compartilha
Não merce ser chamado de busca

Já se perguntou o porque das pessoas gostarem tanto de você?
Por que estão ao seu lado, ou, por que elas confiam em você? (...)

Sobre nós, nós nunca estaremos preparados
E por isso cada dia é um desafio, ao que vai se ocorrer
Não sabemos nem o que está ao nosso lado
Imagina então, o que está à um segundo de acontecer

Por que tentamos tanto nos engrandecer?
Não precisamos disso para viver, acontecer
Nos vendem trunfo para podermos obter
Aquilo que nós nunca iremos compreender...

Que vitória mesmo, é estar em paz!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conde

Tem gente que prefere um amor para se ferir
Do que estar só
E tem gente que prefere pensar apenas em si
Do que ter um nós

E quem somos nós pra dizer o que é bom
Se o arbítrio é a maldição dada como dom?

Eu demorei muito para poder entender tudo isso
Que não preferimos a solidão
Mas as vezes ter foco maior e fazer compromisso
É a prioridade em suas mãos

Fobias

As energias são intensas
E as colisões, imensas
As estradas são extensas
De quedas e sentenças

Não importa a quem pertença
Os olhares são a diferença
Podem ser a cura ou a doença
Entre ceticismos e crenças

Apenas vemos aquilo que queremos enxergar
Só vamos para onde nós queremos chegar
Só voltamos para onde nós queremos regressar
Somos zonas de conforto, a se acostumar

Sem confrontos quando queremos paz
E talvez a paz seja esse cegar
Onde há medo, você nunca vai lá e faz
Inerte e não inerente, vai alugar

Vai gastar, não gostar, se degastar...
E assim, não chegar a nenhum lugar

Soropositivo

Não finja ser feliz, apenas seja
Liberte-se do que lhe causa tristeza
Aquele que diz vence, te convence de que é tudo um jogo
Então mentalmente, pegue as coisas dele e taque fogo

Não finja nada que não seja teatral
A arte de purificar e elevar o astral
Por doer, que você possa perdoar, mas nunca vá se redoar
Use o tempo vago para preencher lacunas e se redobrar, transbordar

Essa de amor próprio até que parece difícil
Mas é mais simples do que observar o precipício
Ver que é só uma queda para desistir de tudo, é não saber o que é tudo
Há milhares de novas chances, novos sonhos e horizontes nesse mundo

E... Quantas vítimas se tornaram heróis?
Nunca saberá, se não tentar ver
E... Quantas chances terá para ser mais?
Nunca saberá, se não tentar ser